Constelação Familiar

As 3 leis sistêmicas segundo a Constelação Familiar

Constelação-familiar-Revista-Medicina-In

Lei da Ordem

A lei sistêmica da ordem faz a alusão ao respeito natural que devemos entregar a todas as pessoas que nasceram antes de nós na família. Nisso, fica estabelecida uma hierarquia natural em que os mais velhos sempre vão ficar em prioridade. Não que isso nos faça pior que eles, nada disso, mas o ciclo se cria da forma como é feito e devemos respeitá-lo. 
Enquanto quem veio primeiro tem preferência, quem nasceu depois deve ser guiado a protegido. Assim como um certo pivilégio, cada um de nós possui também responsabilidades e deveres com o sistema. Desse modo, os mais novos são guiados e protegidos por aqueles que chegaram antes dele. Quando há desconsideração e desrespeito surgem, conflitos vem a tona e dificultam os relacionamentos familiares. Nos momento em que um filho acaba renegando a importância dos pais faz com que sua própia existência perca valor. Os pais, por sua vez, atribuindo capacidade imcopatíveis aos filhos comprometem o desenvolvimento deles.

Lei do Equilíbrio

A segunda das leis sistêmicas é a lei do equilíbrio, de modo a igualar corretamente as trocas humanas. Com isso, o dar e receber entre as pessoas precisam se equivaler para que assim a paz possa existir.
Bert Hellinger ensina que viramos credores quando entregamos algo ao outro e devedores quando recebemos. 
Os relacionamentos se pautam no equilíbrio sobre o crédito e débito em contato interpessoal. É como uma ponte se sustensasse aí, de modo que as trocas igualitárias servissem de sustento  a esse contato. Contudo, quando isso fica desnivelado, a tendência é que as relções se direcionem ao fracasso de forma agradativa. 

 

Quando alguém dá demais ao outro  numa disponibilidade eterna, ela vai e cansar e se esgotará, principalmente no lado emocional. Por sua vez, quem apenas recebe não entende o pacto ali construído e não sabe desenvolver a energia entregue. Não se trata de valores materiais, mas, sim, da energia depositada e como isso reflete no relacionamento de ambos. 

Lei do Pertencimento

A terceira das leis sistêmicas é a lei do pertencimento, fazendo com que nós tenhamos posição irrevogável na família. Existe uma necessidade natural em fazer parte da faília e pertencer a esse meio. Já que é um vínculo tão profundo que, segundo a Constelação, fica acima até da nossa necessidade de sobreviver.

Isso porque, quando expulsamos alguém existencialmente desse ciclo, trazenos sofrimento a todos os envolvidos. Quando arrancamos alguém  de seu lugar entendemos da pior  maneira que isso é impossível de ser feito. Por mais mal que isso tenha nos feito, é um direito de nascença permanecer conenctado e as claras na nossa família.